URO: Urologia Avançada

Urologia:
 
  • A especialidade
     
  • Busca por órgão
     
  • Principais Doenças
     

URO - Urologia Avançada

Centro Médico Aliança

Tel: (71) 2108-4668

Hospital São Rafael

Tel: (71) 3409-8000

  • doctorália
  • White Facebook Icon
  • White Twitter Icon
  • White Google+ Icon

Próstata: perguntas e respostas

Próstata: Dr. André Matos Responde

O que é a próstata e quais as suas doenças?

A próstata é uma glândula que faz parte do aparelho reprodutor masculino. Ela produz secreções que compõem o sêmen. Dentre as várias doenças que podem atacá-la, as mais comuns são a hiperplasia prostática benigna (HPB ou adenoma prostático) a prostatite e o câncer de próstata (CA).

HPB: O aumento benigno da próstata

A HPB (hiperplasia prostática benigna) é o crescimento benigno da próstata. Esse aumento progressivo da glândula é natural com a idade, e quase todos os homens terão algum crescimento da próstata, afinal o adenoma prostático é o tumor benigno mais freqüente no homem. Atinge 15% a 20% dos homens com 40 anos de idade, aumentando progressivamente com o envelhecimento, sendo que aos 80 anos, 90% dos homens terão HPB.

 

Devo me preocupar quando a próstata está aumentada?

O simples aumento da próstata não representa doença alguma se o indivíduo não tiver sintomas. Existem pessoas que têm próstatas grandes e não sentem nada e outros com próstatas menores que sofrem com a doença. A próstata localiza-se abaixo da bexiga e envolve a uretra, o crescimento dela pode provocar compressão do canal da urina (uretra) e levar a dificuldades para esvaziar a bexiga. Isso pode provocar dor ao urinar, jato urinário fraco, esforço miccional, demora para iniciar a micção, sensação de esvaziamento incompleto da bexiga, acordar várias vezes a noite para urinar, urinar várias vezes ao dia, infecção de urina ou sangramento na urina. Com o tempo, a bexiga vai se estragando, pois tem que lutar contra uma resistência toda vez que a pessoa vai urinar, e deixa de funcionar adequadamente. Em casos mais avançados os rins também são atingidos e podem parar de funcionar.

 

Como tratar a doença?

 

É importante dizer que próstata grande não precisa de tratamento se a pessoa não tiver sintomas. É comum o indivíduo chegar ao médico desesperado porque a ultrassonografia revelou aumento da próstata. Isso por si só não é doença.

Os sintomas miccionais são primeiramente investigados pelo urologista, pois existem outras doenças que podem causar problemas semelhantes. O médico colhe a história do paciente, faz o exame físico, solicita exames e conclui o diagnóstico.

O tratamento inicial é com remédios que relaxam a próstata ou que e facilitam o esvaziamento da bexiga. Se os sintomas melhorarem e a qualidade de vida da pessoa voltar ao normal, a cirurgia não é necessária. Por outro lado, quando a medicação falha ou em casos mais avançados, é necessário correção cirúrgica do problema.

Como é a cirurgia de doença benigna da próstata?

Pode ser endoscópica, ou seja, através do canal da urina (uretra). Ou através de um corte na barriga. O que vai determinar uma ou outra é o tamanho da próstata. Para próstatas muito grandes a cirurgia aberta é mais escolhida.

 

 

 

 

 

 

PSA elevado: estou com câncer?

O PSA costuma estar aumentado em casos de câncer de próstata, porém também se eleva em diversas doenças da próstata, inclusive a prostatite. Entretanto, é obrigatório se fazer exames para avaliar a possibilidade de câncer de próstata

Prostatite: Infecção/ inflamação na próstata

A prostatite é uma inflamação da próstata, normalmente causada por infecção bacteriana. Pode ser aguda caracterizada por dor para urinar, febre lata, calafrios, dificuldade para urinar e, muitas vezes, retenção urinária. O tratamento é feito com antibióticos.

A prostatite também pode se dar de maneira crônica sendo seus sintomas confundidos com o da HPB.

Câncer de próstata

O câncer é o tumor maligno da próstata. Ocorre quando algumas células começam a se multiplicar desordenadamente aumentando muito seu número até que invadem órgãos próximos ou distantes atrapalhando seu funcionamento. O câncer da próstata é o mais frequente no homem e é o segundo que mais mata. Entretanto, se descoberto no início, tem grandes chances de cura. Por isso, todo homem com 45 anos, mesmo assintomático, precisa iniciar os exames periódicos para detectar precocemente essa doença. Esses exames são: PSA (exame de sangue) e toque retal. Qualquer alteração em um, ou outro, serve de alerta para a possibilidade da existência do câncer de próstata. A partir daí o médico normalmente solicita uma biópsia da próstata (retirada de pedacinhos para estudo anátomo patológico).

 
 

Quais os sintomas e como se trata a doença?

No início não causa sintomas. Esse é o momento ideal para descobrir o câncer de próstata, pois pode ser curado através de cirurgia ou radioterapia.

Quando está mais avançado pode causar sintomas urinários, insuficiência renal, sangramento na urina, dores e fratura nos ossos e levar a morte. Entretanto, mesmo nos casos avançados existe tratamento adequado que proporcionam uma vida mais longa e com qualidade.

A cirurgia da para tratamento do câncer de próstata pode ser feita através da técnica aberta, laparoscópica ou robótica. As chances de cura são altíssimas em tumores localizados.

Quais as sequelas da cirurgia?

As principais complicações são a incontinência urinária (perder urina involuntariamente), disfunção erétil ou estenose de uretra. É importante ressaltar que, após a cirurgia, a ejaculação passa a ser seca, porém o orgasmo é preservado.

Como tratar a incontinência urinária após a cirurgia da próstata?

A incontinência urinária de esforço pós prostatectomia radical pode ser tratada com fisioterapia pélvica, em que a reabilitação do esfícter é realizada através de exercícios e eletroestimulação. Quando não ocorre melhora da perda urinária, após o período de 6 meses a 1 ano, pode ser realizado a cirurgia para tratamento da incontinência urinária. São as cirurgias de sling ou esfíncter artificial.

No pós operatório todos os pacientes são orientados a realizarem fisioterapia e utilizarem medicações para disfunção erétil. O importante é informar que, seja qual for a sequela, existe tratamento eficaz para reestabelecer a vida normal dos pacientes.